Pular para o conteúdo principal

Artigo

Para construir um país forte


Por: Éd Alemão

Projeto político para o país deve ser socialista e enfrentar a elite

JUSTIÇA SOCIAL

               No mesmo dia em que a seleção brasileira sofreu a derrota acachapante para a Alemanha, o país teve uma perda imensamente maior. Morreu Plínio de Arruda Sampaio, um dos maiores símbolos da resistência e da luta popular no Brasil. Plínio foi um sobrevivente de grandes combates. Defensor ativo das reformas de base propostas por Jango, que poderiam ter dado um outro rumo ao país, foi cassado e perseguido pelo golpe que as abortou em 1964. Teve a honra de estar na lista dos cem primeiros cidadãos com direito político cassado pelo Ato Institucional número 1 (AI-1). Figurou nessa lista ao lado de gente como Luiz Carlos Prestes, Francisco Julião (dirigente das Ligas Camponesas) e do próprio Jango, dentre outros grandes nomes que defenderam os interesses populares contra o golpe militar. Nesta época havia sido o relator do projeto de reforma agrária do governo Jango, uma das grandes reformas preconizadas então. Homem coerente, manteve durante toda a vida este compromisso fundamental.
              Com a reforma agrária em especial, tendo sido sempre um aliado de primeira hora do MST. Mas também com todas as reformas estruturais que permanecem pendentes no país. No caso da reforma urbana, que hoje está em voga pelo agravamento das contradições nas cidades, Plínio foi sempre um grande aliado. Visitava frequentemente ocupações do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), prestando solidariedade e apoio político. Escreveu inúmeros artigos e fez intervenções na campanha presidencial de 2010 na defesa de uma política de desapropriação de terrenos urbanos ociosos e de investimentos para habitação popular.Com a notícia de seu falecimento, surgiu uma questão: que homenagem nós, dos movimentos populares, poderíamos fazer ao mestre Plínio de Arruda Sampaio?E a resposta veio, inequívoca. Nossa mais legítima homenagem será aprofundarmos a luta para a realização do projeto político pelo qual Plínio combateu, como poucos, ao longo de sua trajetória. Aliás, tornando-se mais radical à medida que o tempo passava e desmentindo a ideia de que ninguém permanece de esquerda após os 60. Ficar velho não é virar velhaco – disse ele sobre isso.
Socialismo e reformas

              O projeto é socialista, ele não tinha medo em dizer. Nem nós devemos ter. Projeto que representa um enfrentamento direto com a elite brasileira e seus representantes políticos. Que implica em mudanças estruturais no modo de organização da sociedade.A defesa das reformas estruturais populares que o capitalismo brasileiro foi e permanece sendo incapaz de realizar precisa voltar à agenda política. Tomemos a agenda das reformas de Jango: reformas agrária, urbana, tributária e política. Haverá programa mais atual do que este?A reforma urbana é uma demanda gritante diante do caos das metrópoles provocado pelo predomínio do setor imobiliário e de seus interesses privados sobre a política pública de habitação, mobilidade, infraestrutura e serviços. É urgente reverter a lógica de segregação que expande as periferias, jogando milhares em regiões precárias, além de aumentar os deslocamentos urbanos. Já a reforma agrária é condição para enfrentar o atraso no campo brasileiro. A estrutura agrária patrimonialista ainda mantém ociosas muitas terras agricultáveis no país, além de focar a produção do agronegócio em monoculturas para exportação. Isso se evidencia quando analisamos os dados da agricultura familiar no país: mesmo tendo apenas 24% das terras, responde por mais de 70% dos alimentos consumidos no mercado interno. Ou seja, a mudança nesta estrutura produziria imensos ganhos sociais, a começar pelo barateamento do custo dos alimentos para a população.Por sua vez, a necessidade de uma reforma tributária é evidente quando consideramos que quem ganha menos que dois salários mínimos de renda paga 49% de sua renda em impostos, mas aqueles que ganham mais de 30 salários pagam somente 26%. Ou seja, a estrutura tributária do Brasil é regressiva. Os mais ricos pagam proporcionalmente menos, sem falar da sonegação. Plínio já defendia desde os anos 1960 uma reforma tributária progressiva, na qual os ricos paguem mais, e os pobres, menos. Sistema tributário deve ser também ferramenta de distribuição de renda.
            No caso do sistema político, nem é preciso gastar muitas palavras. O descrédito popular é generalizado. O atual sistema político caducou e não representa os anseios populares. Embora não seja suficiente, uma reforma política que acabe com o financiamento privado de campanhas eleitorais é urgente e necessária. Se somarmos a essas grandes reformas, defendidas pelo velho Plínio há mais de 50 anos, temas como o da dívida pública, da democratização dos meios de comunicação e da desmilitarização da segurança pública – todos eles também bandeiras de Plínio – temos as bases de um programa popular e socialista. Defendê-lo nos debates e nas ruas é a maior homenagem que podemos oferecer ao incansável combatente Plínio de Arruda Sampaio.
Guilherme Boulos é dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto.

Muito eu tenho a lhes dizer e quase nada tenho a contar dos amargurados dias terrestres. Os sopros frios da adversidade, em toda minha existência, perseguiram-me através das estradas do destino, e a fé em vossa complacência e misericórdia meu Deus lhe foi sempre a única âncora de salvação, no oceano de minhas lágrimas por onde passava o barco miserável de minha vida. Trabalhei com o esforço poderoso das máquinas e fui colaborador desconhecido do bem-estar dos afortunados da Terra. Nunca recebi compensação digna do meu trabalho e consumi no holocausto à coletividade e à família… Entretanto, Senhor, ninguém conheceu as tempestades de lágrimas do meu coração afetuoso e sensível, nem as dificuldades dolorosas dos meus dias atormentados no mundo. Vivi com a fé, morri com a esperança e o meu corpo foi recolhido pela caridade de mãos piedosas e compassivas, que me abrigaram na sepultura anônima dos desgraçados…

espírito de Jean Carlos – estivador

             A atuação do governo dos trabalhadores para aquela que deveria ser um de seus alvos primordiais, a distribuição de renda, não passa, ademais, de algo “raso, superficial e circunstancial”, visto não incidir na distribuição da renda funcional (salários versus renda do capital) e da riqueza. A crise no Brasil tem profundas causas estruturais. Por exemplo, a vulnerabilidade externa estrutural do Brasil é muito elevada e, portanto, o país é muito afetado pela desaceleração do comércio internacional e a volatilidade dos fluxos financeiros internacionais. Países como a China se protegem com elevados níveis de competitividade internacional e baixa dependência em relação a recursos financeiros externos. No Brasil, por outro lado, esses riscos são particularmente elevados porque o país depende significativamente da exportação de produtos básicos (minério de ferro, carne, soja e outros) e da captação de recursos externos para sustentar seu crescente e elevado déficit nas contas externas (as transações comerciais, de serviços e financeiras com os outros países). Ou seja, a despesa do Brasil em moedas estrangeiras é maior do que a
receita. Em 2013, o país precisou captar US$ 81 bilhões para fechar suas contas externas. Portanto, há crescente risco de crise cambial, que tende a causar crises financeira, real e fiscal, bem como maior inflação. Não podemos esquecer que o passivo externo brasileiro supera US$ 1,5 trilhão. Ou seja, nas contas externas há extraordinários desequilíbrios de fluxos e estoques.

Voto Nulo é Voto de Protesto – 00 e confirma. Votar não poderia ser obrigatório, mas sim facultativo como nos Estados Unidos. Antes de votar precisamos se politizar para cobrarmos o dinheiro dos nossos impostos em melhorias reais para a nossa sociedade. Todos pagam impostos por isso tem o direito de fiscalizar e cobrar, mesmo que o seu candidato não ganhe. A indagação ou questionamento fez o homem sair das cavernas. A falta de politização está levando o homem de volta para as cavernas das ignorâncias.
VEJAM:

Postagens mais visitadas deste blog

1º Festival de Inverno da Vila São José supera expectativas de organizadores

O 1º Festival de Inverno da Vila São José que teve início no último dia 10 e esta sendo realizado na Praça da Cidadania chega ao seu último dia com um saldo positivo e um público acima das expectativas, segundo a idealizadora e diretora de Eventos da ACELC Vila São José, Beatriz Hilário, a Bia uma das responsáveis pelo evento. “A gente não esperava. Na verdade a gente fechou com 15 barracas...e aí foi chegando um pessoal...um falando pro outro e hoje a gente ta com 32 barracas. É uma alegria imensa que eu não sei nem como explicar, tanto que hoje (13/08) se encerra e o pessoal já tá querendo que se estenda até terça-feira, mas como nosso ofício foi feito do dia 10 até o dia 13, não podemos quebrar o protocolo”. O secretário da entidade e ex-presidente da Sociedade de Melhoramentos do Bairro, Diney, aposta na continuidade do festival, mesmo não tendo recursos de patrocinadores ou do Poder Público: “vai se estender assim como a Festa do Frango que começou lá em 2004, que foi uma cria…

R-3 vence o Fogo na bomba e vai à final da Copa Pé no Chão

Com um golaço do meia Bigode o time da R-3 venceu o Fogo na bomba da Vila Natal, e é finalista da 3ª COPA PÉ NO CHÃO. A partida foi realizada no Campo do Unidos do Parque Fernando Jorge. O outro finalista é o Sexy Machine da Vila Esperança, que derrotou o ONE TWO F.C. nas penalidades (6 a 5), depois de empatar no tempo normal por 1 a 1.
                 Depois de um início de jogo equilibrado, num lance de craque do camisa 7 da R-3, Bigode, que chapelou o adversário e emendou de primeira para o gol do excelente goleiro Henrique, a bola ainda fez uma curva no ar antes de entrar na meta do arqueiro do Fogo na bomba. Golaço. O Fogo na Bomba tentava se manter vivo no jogo, mas tinha o seu melhor jogador muito bem marcado, o camisa 7 Mike. Outra estrela do time, o meia Robson (camisa 8), também encontrou dificuldade para chegar ao gol adversário, devido a boa marcação do rival. Com uma maior posse de bola, por conta da boa atuação do camisa 10, Everton, o R-3 teve as melhores chances do j…

Vila Nova completa 66 anos

Bairro da Vila Nova Cubatão completa 66 anos no próximo dia 04 de Fevereiro. Sociedade de Melhoramentos e Administração Municipal cogitaram reativar a Festa da Banana mesmo que em proporções menores, mas acabaram desistindo do evento por falta de recursos.